segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Rosa vermelha - Maria Luiza



Todas as vezes que você
encontrar uma rosa vermelha
será o sinal de meu amor.

Outras flores passarão,
outros perfumes serão sentidos,
outros sussurros serão ouvidos...

Mas sempre haverá,
por onde você passar,
a rosa vermelha
do meu lhe amar.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Os dias e os sorrisos - Maria Luiza


Há vida além do cinza: eu sei que há!
Mas o cinza toma conta dos meus dias.
E assim tem sido: dias cinzas e sorrisos amarelos.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Oração à noite - Maria Luiza


Sonho sonhos de poesia
com hálito de alegria

teço rendas, invento lendas
aproximo da magia

deixo a noite me inspirar...


Lua cheia: hoje é dia

de fazer mandinga

de amor, de utopia:

velas, charutos e pinga

pro meu homem amarrar.


E vou sonhando, quem diria,

com ebós, tarô, quiromancia

bruxa moderna, cibernética
,
mulher romântica, energética...
que me proteja Oxalá!

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Segredos multicores - Maria Luiza


Há assuntos que não comento:
são minhas dores, meus lamentos.

Meus secretos segredos...
Meu desterro, meu degredo...
Não comento por saber
que ninguém há de reverter

o que feriu, o que passou
- meus lamentos, minhas dores
são só meus e multicores -
meus amigos de tantos anos
que me acompanham

entre vitórias e danos,

mas são só meus.
Não há como dividí-los,
nem ao menos somá-los,
já tentei subtraí-los,

tudo em vão: são meus calos.

Apenas - Maria Luiza


Sou apenas Maria:
Maria-segredo,
Maria-sem-medo.
Sou a parte, sou a inteira,
sou a santa e a rameira,
sou o porto seguro
após a jornada,
sou o quarto escuro...
sou o tudo e sou o nada.

Sou aquela Maria
de outras eras, outros tempos...
Sou esta Maria:
trazida em sonhos
traduzida em ventos...
Sou para sempre Maria:
para a prosa e a poesia.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Terceira Carta de Ester - Maria Luiza

foto by Tita Ferreira


Há uma saudade íntima, funda, silenciosa.

É algo como uma murcha rosa

dentro de um livro esquecido na estante.

Penso em você: tão distante...
e como a esquecida flor
permanece o perfume, desbota a cor,
fica perene na memória
faz parte da minha história,

Faz parte de mim, meu amor.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Hoje é um dia - Maria Luiza


Hoje é um dia
em que sonhos parecem distantes,

em que o coração se transformou em nuvem,

em que a Terra poderia parar.


Hoje é um dia

em que a emoção virou fumaça,

em que respirar dói,

em que viver é apenas mais um fato.


Hoje é um dia

em que queria estar em outro mundo,

em que precisaria de outro corpo,
em que gostaria de ter outra cabeça.


Hoje é um dia
em que sinto-me como um robô,

lata fria sem sangue,
luzes piscantes no lugar do olhar.


Hoje é um dia

onde não há lugar para sorrir

quando a alma esfria

e as palavras emudecem.

Hoje é um dia

em que digo estar bem,

convenço com um falso sorriso

mas meu olhar está além...

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Silêncios - Maria Luiza


Silêncio na alma.
Silêncio no coração.

Apesar dos ruídos em volta

o todo se faz silêncio.

Pausa necessária
para ordenar as idéias

e refazer a calma.

Eis o hiato
entre
pensamento e ação:
silêncio na alma,

silêncio no coração.

No momento não preciso

de palavras escritas ou faladas...

preciso de silêncio,

preciso de solidão...

ordenar as paixões,

arrumar os sentimentos,

catalogar os pensamentos,

fechar os olhos

e sentir o universo.


Silêncio no coração

para ouvir

o que diz a razão.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Resignação e inconformismo - Maria Luiza


"Deus me dê força para mudar o que posso mudar e deve ser mudado; resignação para aceitar o que não pode ser mudado; e, principalmente, sabedoria para distinguir entre os dois." Ditado árabe.

"Apesar dos nossos defeitos, precisamos enxergar que somos pérolas únicas no teatro da vida e entender que não existem pessoas de sucesso e pessoas fracassadas. O que existem são pessoas que lutam pelos seus sonhos ou desistem deles." - Augusto Cury.

A partir desses dois pensamentos descubro que há uma grande diferença entre os seres humanos: alguns se resignam e passam a vida com uma sensação de estar cumprindo um dever imposto pelo Destino, mesmo tendo vontade de mudar e fazer o que deseja; outros são inconformados e não aceitam pura e simplesmente que "o Destino (ou a Vida, ou Deus, não importa a quem ou ao que se atribua) assim o quis" e não desistem de seus sonhos. Faço parte da segunda categoria.

Corro e sempre correrei atrás dos meus sonhos: sejam eles quais forem. Aqueles que dependem única e exclusivamente de mim: os realizo. Já os que dependem de terceiros, procuro argumentar e convencer que é uma outra forma de se ver a vida e de se tentar algo que não foi tentado. O máximo que pode acontecer é se ouvir um NÃO. Neste caso, sigo em frente e busco um novo sonho. Mas não paro de sonhar e traçar objetivos.

Aos que se resignam, lamento, mas chegarão ao fim de suas vidas com uma única certeza: dever cumprido. Não que isso seja ruim, mas penso que a satisfação pessoal de ser um "cumpridor de deveres" dos resignados é pouco para mim. Acredito que exista a tal Felicidade e trabalho para alcançá-la todos os dias. Quando a Roda da Fortuna pára numa situação desfavorável, dou um jeito de fazê-la girar novamente: não desisto de fazer o universo trabalhar a meu favor.

Sempre discordei do dito popular "O homem põe e Deus dispõe". Vejo exatamente o contrário: "Deus põe e o homem dispõe". Somos nós quem decidimos se queremos nos resignar e desistir dos sonhos ou se teremos força para lutar pelo que consideramos importante.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Palavras, gestos e olhares - Maria Luiza (a Bruno Ziemerhoff)


Palavra indigesta: são tantas,
que eu colocaria no plural!!!

Por certo o que sai das gargantas
com a intenção de fazer mal
são palavras indigestas
como gestos dissimulados,
olhares arrevesados
e sorrisos com arestas.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Outra carta de Gil - Maria Luiza


"Não há palavra certa
que diga e aponte o rumo.
O sentimento é rigorosamente mudo
mesmo quando a boca é aberta.

Escapa à vida o que dizemos
quando o indizível se torna palpável
há mais nos gestos que cometemos
do que na palavra impronunciável."

Primeira carta de Gil - Maria Luiza


"Há a falta de vossa pessoa.

Há uma vida que vivi porque havia de viver.

Houve uma morte e um luto.

Houveram outras mortes e outros lutos.

Ainda há algo a ser dito.

Haverá ainda mais a ser calado?"

Constatação - Maria Luiza


Tenho apenas uma grande certeza e uma penca de pequenas dúvidas.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Beije-me - Maria Luiza



Beije-me,
beije-me como se fosse

a primeira vez

ou a última vez...

Beije-me

como se meu beijo

fosse o seu ar,
o seu alimento,

pois é assim
que sinto seu beijo.


Cada beijo seu
é o primeiro

porque é único.

A cada beijo

eu me entrego

como se fosse

o derradeiro.


Beije minhas mãos,

minha face, minha boca.
Beije meus seios,
meu ventre, onde mais

você queira beijar...

Deixe-me beijá-lo
infinitamente...

pois você é o meu ar

e o meu alimento.

domingo, 18 de outubro de 2009

Águas de Maria - Maria Luiza


Maria
como o mar

como amar

assim sou:

Maria

de águas profundas
,
de correntes transversas
,
de belezas e perigos,
de tormentas e abrigos,
de grandes vagas e de paz.

Para desvendar
o grande oceano
é preciso coragem

de sair da segurança da areia
,
despir-se sob o luar
que prateia
as águas de Maria.

domingo, 11 de outubro de 2009

Quero aprender - Maria Luiza

(foto de Clark Little)


Minha vontade é lançar-me sem medo nos grandes braços do mar.
Aprender sobre os mistérios e correntezas.

Equilibrio - Maria Luiza


Pé ante pé
passos de balé
na ponta dos dedos

levo a passada
pela minha vida
com desvelo
com muita fé

enganando meus medos
e às vezes enganada:
ficou uma ferida
jamais a revelo!

Assim sou bailarina:
danço os perigos

em forma de adágio.
Gata de rapina
em busca de abrigo

não teme o presságio.

Só quero o equilíbrio
de amar e ser amada
e apesar do ludíbrio

não erro a passada.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

A minha mão - Maria Luiza


Eis aqui a minha mão
alva, em súplica, vazia,
linhas e marcas:
o tempo vivido
,
minha mão "gauche"
,
a que leva ao coração.

Eis aqui minha mão

a escrever poesia
,
a colher sonhos,
explorar o sentido:
minha mão esquerda,
como esquerda é a razão.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Meus desejos - Maria Luiza


Minha boca anda com desejo da sua boca.
Meus seios andam com desejo de suas mãos.
Minha pele anda com desejo da sua pele.
Meu olfato anda com desejo do seu perfume.
Eu-toda ando com desejo de você-todo.

domingo, 4 de outubro de 2009

Segunda Carta de Ester - Maria Luiza


"Queria poder lhe dizer tantas coisas. Queria não dizer nada. Na verdade, o que eu queria mesmo era beijar você até perdermos o ar, o tino, a noção do tempo. E nesse beijo trocar as palavras emudecidas ao longo de nossas histórias paralelas, onde elas, as palavras, fossem absolutamente desnecessárias.

Quando estamos um nos braços do outro não é necessário que haja um diálogo. Nossos corpos se entendem, nossos olhares dizem muito mais do que nossas bocas e quando nossas bocas se unem podemos ouvir o que o coração do outro fala. Há tanto que o coração quer dizer... e a boca se cala."

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Fases - Maria Luiza


Querer ser o sol
quando se é lua,

ora Crescente

ora Minguante


Flutuando marés

no oceano imenso

de sentimentos profundos

abissais...


Muda a forma

de Nova à Cheia

plena em esplendor
na noite calada


A lágrima do Minguante

transmuta no sorriso

do Crescente.

E assim permanece

em suas fases

sem poder ser o sol
para aquecer

o corpo do mar.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Ando pensando - Maria Luiza


As minhas perguntas
permanecem sem resposta,
enquanto as minhas respostas
procuram as suas perguntas.

Sinto-me mármore: fria
Como Dafne nas mãos de Apolo
Não me entrego, só nostalgia
árvore e tronco sem ter seu colo







Sheherazade - Maria Luiza


Permita-me ser tua Sheherazade
te encantar com contos e lendas
te fazer sonhar com a felicidade

te emaranhar em minhas rendas


Permita-me ser tua Morgana
tua feiticeira, tua amante
Amor que não se engana

mesmo que tão distante


Permita-me te amar com a intensidade

Do pulsar do teu coração

Inventar uma nova verdade
Pra despertar tua paixão

Amores perfeitos - Maria Luiza


Águas que já passaram
No leito do rio
Voltam em forma de chuva

Ao lugar de origem


Encharcam a terra árida

Como monções abençoadas

Recriando a primavera

Após um longo inverno seco


As sementes adormecidas

Explodem em vida
Florescendo os jardins

De amores-perfeitos

Amores refeitos

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Alguns Pensamentos II - Maria Luiza


Abri meu coração, minha alma, meus braços, minha boca e muito mais. É hora de fechar as janelas e a porta do meu ser, só pra me preservar.

Quando nossas bocas se unem podemos ouvir o que o coração do outro fala. Há tanto que o coração quer dizer... e a boca se cala.

Queria que só meia hora de um sonho fosse realizado. O resto eu trataria de fazer valer...

Camões disse: "para tão grande amor, tão curta a vida". Digo, transgredindo: "para tão grande amor, então curta a vida!!!"

Alimentando a esperança. Alimentando sonhos. Quem sabe ambos se criam?

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Primavera - Maria Luiza


Foi o teu calor que me fez desabrochar.
Foram os teus cuidados que me fizeram florir.
Hoje sou Primavera.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Alguns pensamentos - Maria Luiza


Um dia, as palavras, as inexatidões e as dicotomias se unirão na humanidade que existe no Amor.

Há uma intensidade na condição feminina que nem todos os homens podem compreender - e também há algumas mulheres que não conseguem atingir.


Preciso de quinze minutos de lembranças do futuro, de planos do passado, de um presente do presente.

Sou vermelha, roxa e cor de abóbora: vibrante e quente como a lava de um vulcão. Posso explodir e depois amainar. Neste peito bate um coração transbordante e o meu gênio é deveras indomável.

Nunca se diz tudo o que se deveria dizer...
fica o hiato do pensamento e da palavra: terra fértil para se produzir desencantos.

Há uma saudade milenar, pois para cada segundo que se passa, parecem que anos se passaram, e a saudade é arqueológica.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Beyond - Maria Luiza


Em o Mágico de Oz, Dorothy diz:
"There is no place like home"

Eu retruco:
"Yes it is: beyond the rainbow!"

domingo, 30 de agosto de 2009

Amor & Posse - Maria Luiza


Omissão ou comichão?
Nah... é algo que te faz perder o rumo e o prumo.
Que te faz querer o fumo...
Talvez isso não seja amor,
seja apenas paixão...


Sei lá... pode ser tudo ou nada ser

Amor não é só bem querer

É além...

É se saber da vida que o outro leva

e não querer sua posse

Amor é mais!
...e talvez não coce!

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Carta de Ester - Maria Luiza


Tudo o que eu quero ser
é o teu abrigo, a tua paz

o teu silêncio, a tua fogueira

o teu sorriso, a tua certeza

o teu amor, o teu descanso


Não é pouco e não é tanto

que eu não possa ser
pois é assim que tu és
abrigo, paz, silêncio e sorriso

fogueira, descanso e amor...

Só me falta a tua certeza

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Solidão - Maria Luiza


Tem momentos em que me encontro na mais dura solidão.
Tem sido assim ao longo da vida.
Quando mais preciso de alguém, mais me vejo só.
Quando mais preciso de um colo,
apenas me encontro comigo mesma.


É o chorar sozinha,
secar as próprias lágrimas,
olhar-me no espelho
e buscar a força pra continuar
lá dentro de mim.


Hoje é este dia.

Já chorei,
sequei as lágrimas,
me recompus: cuidei da vida.

Agora me sinto só de novo...
... e choro...

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Lírios - Maria Luiza


Penso em lírios
lilases... líricos...
tão simples e complexos

como a vida

que nos dá o encontro

que nos toma na partida

que risca os caminhos

e nos faz seguir

pelos descaminhos dela.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Por-do-sol perfeito - Maria Luiza


Há uma praia, além do horizonte que vejo...
Há uma vida, além das minhas fronteiras...

Sei que haverá uma única chance

de alcançar meu sonho...


Olho o céu, inquirindo se há quem me ouça

Vejo nuvens pesadas, cinzentas
Como se o céu não se importasse...

Volto meus olhos para a terra

E mergulho em meus blues

De ter deixado levarem a minha vida

Sem que eu tenha tomado as rédeas...

Ainda há tempo, eu sei!
Para que eu possa
Vislumbrar o por-do-sol perfeito

Plantar o amor-perfeito
E ver florescer
Aquilo que deixei para trás.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

O que não quero - Maria Luiza


Eu quero um beijo que não venha da boca...
Eu quero um beijo que venha da alma!

Eu quero um olhar que não seja apenas desejo
Eu quero um olhar que seja de amor...


Eu não quero ouvir "Eu te amo"

Só quero o amor...


... com sabor de cerejas frescas!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Inumana Vigília - Maria Luiza


Sono
Sonho
Perco-me nos pensamentos

procurando meus sentidos.
Inumana vigília:
Vampiresa de meu próprio sangue
que me envenena e alimenta
para ressurgir mulher a cada dia.

Desperto
Desespero
Perco-me nas ruas
procurando meu rumo.
Inumana vigília:
Mulher que dá seu sangue
no trabalho e na rotina

para ressurgir deusa na fantasia.

Coração em chamas
Olhos úmidos

Perco-me nos braços dos homens

procurando somente um.
Inumana vigília:
Deusa caída em pecado
na alma e no corpo
para ressurgir mortal num dia.

domingo, 7 de junho de 2009

Teus Chamados - Maria Luiza


Tenho pensado em ti
Sei que tu também
Me levas na lembrança.

O vento me traz
Teus chamados...
Sinto o leve toque
De teus dedos em minha boca,
Tentando calar o que
Já foi dito em entrelinhas.
Apenas sinto tua presença.
Mago, feiticeiro, bruxo
Me levando por sonhos
Somente sonhos...

terça-feira, 2 de junho de 2009

Entre!!! - Maria Luiza


Entre!!
A porta não está trancada.
Se for sua vontade, entre.
Talvez eu esteja louca
ao lhe fazer este convite...
mas entre mesmo assim.

Não prometo o Éden
Não prometo o Jardim das Delícias...
Não prometo nada!

Apenas me fale
o que preciso ouvir.
Construa pontes
para que eu as atravesse
e as queime depois da travessia.

Mas lembre-se sempre:
Você está em mim
assim como
eu estou em você.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Eu: Tempestade - Maria Luiza



Tem dias em que me sinto
como se eu fosse
um dos quadros
de J. M. W. Turner:
Tempestade.

Sou castanha, negra,
com um pequeno rastro
de luz
Para avisar aos navegantes
que tenho bondade.

Mas a alma está turbulenta
revolta como o mar do Norte
e nos meus olhos se faz noite
e o coração sossobra
numa vaga violenta.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Nada mais a dizer - Maria Luiza


Não há mais nada a dizer.
As palavras doces

que antes me acompanhavam,

transmutaram-se:
emudeceram-se,

já não as tenho comigo.


Embriaguei-me de ilusões e vinho!
Continuei enchendo a taça
sem perceber que ela transbordava...

Desperdicei o néctar.

Desperdicei a alma.

Desperdicei o tempo.


Não serei motivo de misericórdia

nem mesmo de pena.

Deixo que a minha rudeza

silencie a minha retórica.

Um dia talvez eu escreva.

Não há mais nada a dizer.

Incendie par le feu - Maria Luiza



Queimo!
Queimo no meu próprio fogo

Queimo etapas
Queimo bandeiras
Queimo lembranças
Queimo esperanças

Queimo tristezas
Queimo-me inteira...

quarta-feira, 20 de maio de 2009

I CORÍNTIOS 13



si linguis hominum loquar et angelorum caritatem autem non habeam factus sum velut aes sonans aut cymbalum tinniens
et si habuero prophetiam et noverim mysteria omnia et omnem scientiam et habuero omnem fidem ita ut montes transferam caritatem autem non habuero nihil sum
et si distribuero in cibos pauperum omnes facultates meas et si tradidero corpus meum ut ardeam caritatem autem non habuero nihil mihi prodest
caritas patiens est benigna est caritas non aemulatur non agit perperam non inflatur
non est ambitiosa non quaerit quae sua sunt non inritatur non cogitat malum
non gaudet super iniquitatem congaudet autem veritati
omnia suffert omnia credit omnia sperat omnia sustinet
caritas numquam excidit sive prophetiae evacuabuntur sive linguae cessabunt sive scientia destruetur
ex parte enim cognoscimus et ex parte prophetamus
cum autem venerit quod perfectum est evacuabitur quod ex parte est
cum essem parvulus loquebar ut parvulus sapiebam ut parvulus cogitabam ut parvulus quando factus sum vir evacuavi quae erant parvuli
videmus nunc per speculum in enigmate tunc autem facie ad faciem nunc cognosco ex parte tunc autem cognoscam sicut et cognitus sum
nunc autem manet fides spes caritas tria haec maior autem his est caritas

**********************

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.



A estrada para o verdadeiro amor sempre tem obstáculos.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Ternura e Desejo - Maria Luiza


Penso em você.
Ternura e desejo.
Algo tão impensadamente
puro e obsceno.
Mordo os lábios...
Pudor ou malícia?

Adormecer em seus braços.
E ser despertada
com sua mão em meu sexo...
É somente desejo...

Olhar em seus olhos,
Beijar sua testa,
Acarinhar seus cabelos,
É apenas ternura...

Penso em você.
Ternura e desejo.
Algo tão impensadamente
puro e obsceno.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Whisky - Maria Luiza


Hoje não foi um dia bom.
Hoje estive irritada, deprimida, com uma certa angústia em relação à vida.
"Sem vontade" é o resumão!


Cansaço, abatimento, falta de perspectivas...

O frio, a chuva e o cinzento me contaminaram!


Cheguei em casa e resolvi tomar um whisky.

Nada como um cachorro engarrafado, como diria Vinícius!
(Diga-se de passagem é uma definição genial!)
Tudo parece absolutamente igual...


Por onde iniciar a mudança????

Porto Triste - Maria Luiza


Cinza, cinza, cinza...
Olho para o céu é só o cinzento das nuvens.

Meio do outono e o frio começa.
Chuva, chuva, chuva...

Uma vontade infinita de sol!

Não gosto deste clima.
Hoje é quinta-feira

e eu querendo um domingo!

Ainda estamos em maio

e eu querendo minhas férias!


Estou chegando no limite:

saturação, saturação, saturação.

De tudo: rotina, trabalho, rotina...

O mesmo todos os dias.

Todos os dias a mesma coisa!


Haja criatividade para levar a vida!

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Metamorfose Ambulante - Maria Luiza


"Mudem dos 18 para os 30, mudem dos 30 para os 50, mudem, porque desconfiado a gente tem que ficar de quem não muda jamais. São tantas as informações e vivências que absorvemos durante uma única vida que é impossível que elas não nos façam refletir e alterar nossa rota. Infeliz de quem passa a vida toda sendo fiel ao que os outros pensam a seu respeito."

Martha Medeiros


É assim que ando: uma metamorfose ambulante. Ano passado nesta época do ano eu estava gorda: 74 kg. Doze meses se passaram e eliminei 16 kg de pura preguiça e descontentamento.

Não só emagreci no corpo, tenho emagrecido nas atitudes também. Mudo, pois é minha condição para manter a cabeça tranquila e o coração aquietado. Invento e reinvento minha vida. Escrevo para não me esquecer. Esqueço o que não vale a pena me lembrar. Lembro de tudo o que é me importante. Importo-me com quem me quer bem - mas isso não é prerrogativa para me quererem sempre do mesmo jeito, pensando que eu não mudo. E não há nenhum mal em mudar.

Carpe Diem!



domingo, 10 de maio de 2009

Dia das Mães - Maria Luiza


Hoje é o dia das guerreiras
Marias, Andréias, Reginas,
Anas, Letícias, Cristinas,
Ritas, Lucianas, Marinas.
Mulheres que batalham
Pelo bem estar das crias
Leoas que protegem e ralham
Colo quente nas noites frias
Mas todos os dias
São os dias das mães
Que acordam seus filhos
Para escola, trabalho, vida
Que alimentam o sorriso
Só com o olhar de bom dia
Neuzas, Myriams, Adrianas
Sheilas, Leilas, Marianas,
Abençoadas mulheres
Que cuidam dos seus rebentos
Que cuidam dos rebentos de outras
Abençoadas mulheres
Que já não estão aqui para cuidar...

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Beijo Esquecido - Maria Luiza


O inverno se aproxima.
O vento gelado da manhã
Percorre meus pulmões
Com um jeito de morte...
Aspiro o ar gélido
Como se fosse
Um beijo esquecido
.

Não gosto de frio.
Não gosto de inverno.
Não gosto de vento.
Sei que morrerei nesta estação.

O peito aperta:
Uma saudade antiga
Da inocência que havia
Nas ensolaradas tardes
De minha cidade.

O tempo mudou.
A vida mudou.
Alguns amigos mudaram
Outros continuam fiéis
Mudei eu.

E na saudade, no frio,
No beijo que faltou:
Ficou minha boca entreaberta:
Eu muda...